Aulas

O que é um CDB e como investir?

Se você já pesquisou ou conhece um pouco sobre investimentos, com certeza, já ouviu falar no Certificado de Depósito Bancário. 

Conhecido como uma das opções preferidas de investimento em renda fixa no mercado, investir em CDB é algo que vem se popularizando como uma alternativa à velha caderneta de poupança, que cada vez mais rende menos e só faz o investidor perder dinheiro e tempo, porém como todo investimento, o CDB também tem suas particularidades. 

Para conseguir investir com sucesso nesse tipo de aplicação, é necessário conhecer bem suas características, adequar a estratégia de investimento ao seu perfil e verificar se essa é realmente a melhor opção para você. 

Neste artigo, vamos mostrar um pouco mais sobre isso: explicaremos o funcionamento do CDB como opção de investimento, destacando seus benefícios, riscos e mostrando como investir nele da melhor maneira. Confira!

O que é o CDB?

Os Certificados de Depósito Bancário são títulos de renda fixa, emitidos pelos bancos e instituições financeiras, que têm a finalidade de captar recursos para atividades como operações de empréstimos, crédito pessoal, crédito direto e financiamento de automóveis, por exemplo.

A aplicação no CDB é um depósito a prazo, em que o investidor cede determinada quantia para o banco durante um período previamente acordado. Terminado esse prazo, o banco devolve essa quantia acrescida de um rendimento, definida por uma taxa de juros, ou seja, os bancos emissores de CDB vendem esse título diretamente para os interessados e usa o dinheiro arrecadado para viabilizar suas operações de crédito. 

A instituição ganha ao emprestar e cobrar juros para seus clientes e repassa parte desses juros sob a forma de rendimentos para quem aplicou no CDB. Logo, pode-se dizer que na prática investir em CDBs é como emprestar seu dinheiro diretamente para o seu banco e ser remunerado com juros por isso. Muito bom não é mesmo?

Quais os tipos de CDB?

Você deve está pensando: “bom eu fiquei interessado em investir no CDB, o que mais preciso saber sobre ele”? Primeiro, é que existem três tipos de CDB: os pré-fixados, os pós-fixados e os híbridos.

Pré-fixados

O investidor já sabe antes de aplicar seu dinheiro exatamente quanto receberá quando o prazo de investimento for atingido. Com isso, um título oferecido pela taxa de juros pré-fixada de 12% ao ano renderá 12% durante seus primeiros 360 dias de investimento e, assim, sucessivamente. 

Esses títulos podem ser mais arriscados, pois se a inflação subir demais, o retorno do título pode não acompanhar essa subida e fazer com que o seu investimento seja menos atraente no final.

Pós-fixados

O rendimento variará durante o prazo de investimento e será de acordo com o indexador. Normalmente, a rentabilidade oferecida pelo CDB usa como base o indicador do Certificado de Depósito Interfinanceiro (CDI).

Exemplo: se um banco oferecer um CDB com uma rentabilidade de 92% em relação ao CDI, o cliente ganhará 12,55% ao ano num dia em que o CDI estiver a 13,64%. Com isso, um CDB de R$10 mil renderia R$1.255 em um ano.

Híbridos

O título híbrido nada mais é do que a união do pré e do pós-fixado. Nessa modalidade você irá receber uma parte da rentabilidade prefixada e a outra parte como pós-fixada.

Normalmente é um CDB vinculados à inflação, em que o rendimento obtido é igual à variação de um índice de preços, como o IPCA ou o IGP-M. Logo, além de manter o poder de compra da quantia investida ao corrigir pela inflação, também é possível receber uma rentabilidade real durante o período de investimento.

Exemplo: Você investe seu dinheiro e recebe 7% ao ano de juros prefixados mais o IPCA (índice de preços do consumidor), o que pode ser extremamente interessante dependendo do cenário que estamos observando.

Quais as vantagens de investir em CDB?

É aqui que vem a melhor parte: as vantagens!

Rentabilidade

Seja na modalidade pré ou pós-fixado, em ambos os casos o rendimento que o CDB oferece é bem melhor do que o da poupança. Em vez de ver sua aplicação perder valor e ser corroída pela inflação, com o CDB é possível investir e conseguir uma rentabilidade excelente dentro dos padrões de renda fixa. Além disso, a crise no mercado de crédito junto à alta taxa de juros e da inflação faz com que o CDB fique ainda mais rentável e atrativo.

Liquidez

Em um investimento tradicional como a poupança, o investidor encontra limitações para sacar seu dinheiro, pois ele pode perder todo o rendimento acumulado até o momento. Já em algumas opções de CDB, o investidor pode contar com liquidez até diária e resgates mais flexíveis, tendo uma maior liberdade para retirar o valor investido quando precisar sem maiores prejuízos.

Existem dois tipos diferentes de prazos para esse tipo de aplicação:

Prazo de Vencimento Prazo de Carência

O vencimento da aplicação nestes títulos é o momento em que você recebe de volta o seu capital junto com os juros acordados.

Este prazo é combinado entre o investidor e a instituição de forma obrigatória e quando a aplicação vence, o dinheiro é creditado em sua conta mesmo que você não peça ao banco.

Quando o título não tem carência estipulada, somos obrigados a deixar o capital emprestado na instituição financeira até o vencimento que foi combinado no início. Caso você precise resgatar o seu capital antes do prazo, é preciso vender seu CDB para outro investidor, e então você fica sujeito a haver demanda pelo seu título ou a ter um baixo valor oferecido por ele.

O título com carência pode ser considerado a união de um investimento com prazo de vencimento e com liquidez, pois o dinheiro precisa ficar emprestado ao banco pelo menos por um prazo mínimo (carência), mas após essa data ele passa a possuir liquidez diária (possibilidade de resgate do investimento a qualquer momento).

Lembrando que no período de carência (que geralmente é menor nessa modalidade) ele não pode ser resgatado.

Segurança

O investimento em CDB é assegurado pelo FGC (Fundo Garantidor do Crédito) para valores de até R$250 mil por pessoa física em cada instituição. Ou seja, em caso de crise ou quebra do banco emissor, o investidor terá garantido o direto a restituição até esse valor, de forma tranquila e sem precisar recorrer à justiça.

Quais as desvantagens de investir em CDB?

Como nem tudo são flores, aqui vão as desvantagens desse tipo de investimento.

Tributação

Diferentemente de outros títulos de renda fixa, como a LCI e a LCA, os rendimentos do CDB sofrem a incidência do Imposto de Renda. A tributação, realizada já na fonte, varia conforme o prazo do investimento: 22,5% para aplicações de até 6 meses, 20% entre 6 meses e 1 ano, 17,5% entre 1 e 2 anos e 15% para aplicações com mais 2 anos.

Período de Aplicação Tributação
Aplicações de 0 a 6 meses Imposto de 22,5% sobre a rentabilidade
Aplicações de 6 a 12 meses Imposto de 20% sobre a rentabilidade
Aplicações de 12 a 24 meses Imposto de 17,50% sobre a rentabilidade
Aplicações superiores a 24 meses Imposto de 15% sobre a rentabilidade

Além disso, se o investidor mantiver a aplicação por menos de 30 dias, também haverá desconto de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) sobre os ganhos obtidos.

Investimento mínimo

Em geral, a aplicação em CDB exige um valor mínimo para ser realizado, que varia de banco para banco, o que pode impossibilitar a aplicação por parte de pequenos investidores. 

É importante lembrar também que a quantia investida é diretamente proporcional ao rendimento que o banco oferece ao cliente. Logo, quem tem maior disponibilidade de capital consegue condições que paguem juros maiores. Já quem não tem muito para aplicar acaba saindo prejudicado, podendo investir apenas em CDBs piores.

Quais as dicas para investir em CDB?

O CDB é um investimento de renda fixa, por isso é seguro e simples de investir, mas com alguns passos simples você pode multiplicar o seu retorno com esses títulos e garantir um patrimônio maior na sua aplicação.

Prefira bancos e instituições menores

Os bancos e instituições financeiras de pequeno e médio porte oferecem CDBs com rentabilidades maiores e melhores condições para o cliente. Isso acontece, porque eles possuem mais dificuldade de captar recursos no mercado. Por serem menores e apresentarem um maior risco de quebrar, tais instituições precisam pagar mais caro para atrair interessados. Por isso, é recomendado escolher títulos dessas instituições. Mas tenha cuidado: pesquise bem sobre a reputação da instituição antes de aplicar seu dinheiro e não arrisque investir valores acima da proteção do FGC (250 mil).

Saiba que quanto maior o prazo, melhor

Quanto maior o prazo de investimento da aplicação, melhor será as condições oferecidas pelo banco para remunerar seu CDB. Além disso, quanto maior for a duração da aplicação, menor será a incidência do imposto de renda. Para CDBs com prazo acima de 720 dias, ou seja, 2 anos, a alíquota do tributo cai para apenas 15%, torna muito interessante a rentabilidade efetiva do papel.

Sempre compare os investimentos

É importante que você não se agarre a só um investimento, por isso, compare o CDB com aplicações do mesmo tipo, como, por exemplo, a LCI, a LCA, o Tesouro Direto ou um Fundo de Renda Fixa. 

Logo, o investidor precisa avaliar as particularidades de cada um, como tributação, garantias, liquidez, risco envolvido, entre outros aspectos, para saber qual se adapta melhor à sua situação. 

Como investir em CDB?

Se você gostou e entendeu tudo até aqui, então deve querer saber como investir no CDB, certo? Pensando nisso, preparamos esses 5 passos para que consiga fazer o seu primeiro investimento em um CDB.

  1. Primeiro você precisa estabelecer seus objetivos. É muito importante determinar antecipadamente qual o valor que você pretende investir, o prazo que você poderá deixar o seu capital aplicado e quais metas deseja atingir.
  2. O segundo passo é abrir uma conta de investimentos. Ao abrir sua conta em uma corretora, você terá acesso à títulos de diversas instituições, com diferentes prazos e rentabilidades.
  3. Escolher o título mais adequado de acordo com o seu planejamento inicial. Tendo em vista o seu capital e o prazo que pretende resgatá-lo, você terá diferentes opções de título, então é preciso compará-los e verificar qual deles lhe trará a melhor rentabilidade e as melhores condições.
  4. Proteja seu patrimônio. É muito importante respeitar o limite de proteção do FGC, de até R$250 mil. Caso deseje investir uma quantia maior que essa, uma dica interessante é dividir o seu capital em títulos de diferentes bancos.
  5. Por fim, aplique o seu dinheiro. E então é só acompanhar o desempenho do seu investimento e aguardar seus lucros.

Com essa aula, ficou fácil entender como investir em CDB, não é? 

E se você gostou deste artigo, compartilhe com os seus amigos e contribua para que o nosso conteúdo ajude mais pessoas!