Com a discussão e alterações na forma de se aposentar do brasileiro, via INSS, muitas pessoas estão buscando nos investimentos um futuro mais digno e certo.

O problema é que existem inúmeros estudos, números, obstáculos e informações fornecidas pelos gerentes dos bancos ou em sites pela internet, por isso, resolvi comparar os dois principais investimentos que são lembrados no momento em que se pensa em planejar uma aposentadoria ou o futuro dos filhos.

Recomendo que você veja nossa aula de Previdência Privada: O Guia Completo, antes de seguir com essa leitura.

O que é Previdência Privada?

Existem duas formas de previdência privada que são vendidas no mercado, aberta ou fechada.

Previdência Privada Aberta: é comercializada por bancos e seguradoras, podendo ser adquirida por qualquer pessoa física ou jurídica. Esses fundos são fiscalizados e regulados pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), ligada ao Ministério da Fazenda.

Previdência Privada Fechada: também conhecida como fundos de pensão, são planos criados por empresas e voltados exclusivamente aos seus funcionários, não podendo ser comercializados para quem não é funcionário daquela empresa. Essas entidades fechadas de previdência complementar, são fiscalizadas pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar (PREVIC), vinculada ao Ministério da Previdência Social.

O tipo de previdência privada que utilizo para comparação nesse estudo é a aberta, pois são os fundos que conseguimos as informações publicamente e que estão disponíveis para todos.

E o que é o Tesouro Direto?

O Tesouro Direto é um programa criado pelo Tesouro Nacional junto com a BM&FBovespa para facilitar o acesso das pessoas físicas, gente comum como você e eu, aos títulos públicos federais.

Esses títulos são empréstimos que você pode fazer para o Governo em troca de uma remuneração anual, esse dinheiro é pago para você através de uma conta de corretora a cada 6 meses, quando se vende o título ou no vencimento, depois de vários anos.

Escrevi uma aula aqui totalmente focada em como investir no Tesouro Direto, quais são os tipos de títulos e tudo o que há para saber sobre o assunto, recomendo que leia para entender melhor.

São 5 tipos de títulos que podem se encaixar nos mais variados objetivos e perfis, dos mais conservadores até os mais arrojados, com prazos que vão para 31 dias ou 30 anos.

Previdência Privada x Tesouro Direto

O Rodrigo, co-fundador do Criando Futuro, foi entrevistado em uma matéria do Jornal da Cultura, exibido pela TV Cultura, onde ele defendeu a ideia de aposentadoria pelo Tesouro Direto e um economista falou sobre a Previdência Privada.

Você pode assistir o bloco com essa discussão na íntegra pelo vídeo abaixo.

Esse tema sempre gera bastante discussão, por isso é bom que você entenda o interesse por trás dessas duas formas de investimentos.

De um lado temos o Governo que precisa captar dinheiro e faz isso por meio de emissão de títulos públicos, remunerando esses títulos ao longo do tempo. E na outra ponta temos os bancos e seguradoras que criam os fundos de Previdência Privada para ganhar dinheiro dos seus clientes via taxas de carregamento, administração e retirada.

É normal que ambos defendam seus pontos de vistas, cabe a você avaliar as taxas de retorno e de custos dessas aplicações para decidir qual o melhor, mas vamos te ajudar nessa busca por mais informações.

Quanto rende cada um?

A Previdência Privada é um produto customizado, significa que cada banco e seguradora pode moldar esses produtos de acordo com suas necessidades e público.

Não existe como afirmar a rentabilidade da Previdência Privada, pois existem centenas de fundos diversos e alguns misturam renda fixa e variável, o que pode gerar prejuízos e não apenas lucros.

Fundos Brasilprev
Fundos Itaú

Nas imagens acima estão os fundos de Previdência fechada mais comuns que encontramos na internet, sendo o do Banco do Brasil (Brasilprev) o líder de mercado, podemos usar como uma boa amostra para esse estudo.

E abaixo estão as rentabilidades históricas dos títulos do Tesouro Direto disponíveis no mesmo período.

Rentabilidade Tesouro Direto 2017

Como comparar para decidir?

Existem fundos de Previdência Privada que misturam renda variável e renda fixa, ou seja, ações, títulos públicos, CDB e outros ativos, por isso para comparação com esses fundos mistos o ideal seria o índice de ações brasileiras, o Ibovespa, mas não é o caso desse estudo. Vamos comparar apenas com o Tesouro Direto, então o sensato é utilizarmos as Previdências conservadoras e de renda fixa.

As Previdências abertas conservadoras basicamente aplicam o seu dinheiro em fundos de renda fixa ou multimercado, que por sua vez investem em títulos públicos, CDB e Letras de Crédito.

É razoável escrever que podemos montar uma carteira de investimentos muito semelhante as dos fundos de renda fixa, porque temos acesso aos títulos públicos pelo Tesouro Direto e aos demais produtos bancários pelas corretoras.

Quais as características da Previdência Privada?

Não vamos ser parciais e tomar decisões sem mostrar todos os lados, o justo é te mostrarmos dados que podem ajudar em uma tomada de decisão, por isso listamos as principais características desses planos.

  1. Pode contratar seguro de vida ou invalidez com o seu plano;
  2. Em caso de morte, seus beneficiários recebem o dinheiro sem esperar o inventário, dependendo do plano;
  3. O investimento é compulsório, logo se você não tem disciplina será obrigado a pagar mesmo assim;
  4. Você não vai controlar seu dinheiro, outras pessoas vão decidir o que fazer com ele;
  5. Não possui garantia do FGC ou qualquer outra, em caso de falência da administradora do plano.

Para algumas pessoas os itens listados são vantagens e para outras desvantagens, cabe a você avaliar cada um.

Quais as características do Tesouro Direto?

Da mesma forma que fizemos com a Previdência Privada, vamos listar os principais pontos que formam os títulos públicos.

  1. Pode decidir quanto quer investir a partir de 30 reais;
  2. O investimento periódico não é obrigatório, se não tiver dinheiro no próximo mês não precisa investir;
  3. Não possui seguro atrelado e será listado no inventário em caso de morte;
  4. Não possui garantia do FGC, mas é garantido pelo Tesouro Nacional;
  5. Você que vai controlar onde, quanto e quando quer investir.

Para pessoas que possuem maior disciplina e se preocupam em saber onde o seu dinheiro está aplicado, o Tesouro Direto cumpre bem esse papel.

Qual o melhor entre os dois investimentos?

Não somos de enrolar e falar depende para tudo, ensinamos apenas o que praticamos e em nossa opinião o melhor investimento é o Tesouro Direto.

Os motivos que nos levaram a chegar nessa conclusão são os seguintes:

  • Investimento baixo inicial a partir de 30 reais por aplicação;
  • Garantia de rendimento e de segurança pelo Tesouro Nacional;
  • Possibilidade de escolher quando e onde investir;
  • É possível resgatar o dinheiro e receber em 1 dia útil;
  • Taxas e tributação muito menores;
  • Rendimento médio bem maior.

E você concorda com essa conclusão ou pensa diferente? Queremos saber a sua opinião, deixe nos comentários abaixo que vamos gostar de ler.

Bruno Papi

Investidor desde 2011 na Bolsa de Valores, fundador do site General Investidor e co-fundador do Criando Futuro. Bacharel em Sistemas de Informação, MBA em Gestão de Projetos e cursando pós-graduação em Finanças, Investimentos e Banking pela PUCRS. Já concedeu mais de 50 entrevistas em diversas mídias, além de palestrar em empresas e universidades sobre investimentos.