Aulas

O que é RLP? Saiba como funciona o Retail Liquidity Provider

O que é RLP? Saiba como funciona o Retail Liquidity Provider

Esse serviço oferece vantagens, mas também desvantagens para os investidores pessoa física. Em fase de testes na implementação, nem todas as corretoras aderiram ao modelo.

Para entender tudo sobre RLP, como funciona e quais as vantagens oferecidas por ele, continue sua leitura.

Neste artigo, você vai conhecer:

  • O que é RLP (Retail Liquidity Provider) na B3?
  • Como funciona o RLP para minicontratos?
  • Quais as vantagens e desvantagens da RLP?
  • É seguro investir com RLP?
  • Como utilizar o RLP da corretora?

Boa leitura!

O que é RLP (Retail Liquidity Provider) na B3

RLP é um modelo de oferta que permite à corretora atuar como contraparte nas negociações.

Retail Liquidity Provider, o RLP, é um serviço oferecido pela B3, a antiga Bovespa. Neste modelo de negociação, o intermediador – seja banco ou corretora – pode atuar como contraparte no processo de compra e venda de ativos.

A negociação continua acontecendo na B3 mas, com o intermediador atuando ativamente, o investidor consegue melhores preços e maior liquidez em seus ativos.

Mediante o aceite da pessoa física, é possível negociar com a própria corretora, ao invés de utilizá-la somente como meio de acesso às transações na Bolsa.

Este serviço é bastante conhecido e utilizado em outros países; nos EUA, foi regulamentado ainda em 2012. No Brasil, o modelo foi autorizado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) somente em 2019, e seu funcionamento teve início em Agosto de 2019.

A oferta por RLP ainda está em fase de implementação e testes no Brasil. Por este motivo, atualmente o investidor só consegue utilizar para negociação de minicontratos de índice e de dólar.

Quer saber mais sobre estes investimentos? Recomendamos a leitura dos artigos:

  • O que é Mini-índice (WIN) e como operar
  • O que é minidólar (WDO) e como operar do zero

Regras do RLP

Em resumo, o RLP é uma facilidade para quem deseja atuar nos mercados agressivos, possibilitando a venda em grandes lotes e com garantia de preço, igual ou superior ao aplicado no book de ofertas.

Para quem já está acostumado com investimentos em minicontratos, sabe que a liquidez pode ser um problema: o investidor fica refém do processo de vendas (ou compra) em lotes menores, aplicando um preço para cada lote.

Porém, com o RLP, esse problema é resolvido. A corretora (ou o banco) atua na compra ou venda desses lotes, permitindo que a operação seja realizada de uma única vez.

Mas, ainda assim, existem algumas regras que devem ser observadas:

  • as operações com RLP não podem ultrapassar 15% do volume total negociado pelo investidor;
  • somente é aplicado a investidores de varejo, ou seja, pessoas físicas;
  • o RLP é aplicado apenas em ordens à mercado. São as ordens que agridem ao book de ofertas. Para esclarecer: no book de ofertas aparecem as ordens que aguardam execução, e a ordem à mercado é executada imediatamente;
  • o serviço deve ser aceito pelo usuário, aderindo junto à sua corretora;
  • as ofertas RLP não aparecem no book de ofertas;
  • caso não seja executada, a oferta é cancelada ao final do dia;
  • ofertas devem ter condições iguais ou melhores que o mercado, oferecendo os melhores preços no bid (venda imediata) e no ask (compra imediata).

Tradução: Provedor de Liquidez para o Varejo

RLP é uma sigla para Retail Liquidity Provider. O termo pode ser traduzido para “Provedor de Liquidez para o Varejo”, o que conceitua e resume de maneira exata a função deste modelo de oferta.

Como mencionado, o RLP é um serviço que permite à corretora atuar como contraparte das negociações, facilitando a compra ou venda de grandes lotes de ativos de um mercado agressivo.

Dessa forma, o principal objetivo do serviço é prover maior liquidez ao investidor, além de melhores preços.

Tipos de Investidores

Além disso, como já vimos nas regras, o RLP se aplica somente às pessoas físicas, ou seja, investidores de varejo.

Para entender melhor, existem três tipos de investidores, conforme a ANBIMA:

  • Investidor profissional: investidores institucionais, que atuam cotidianamente nos mercados e com capacidade técnica avaliada pelos reguladores. É o caso das instituições financeiras, companhias de seguro e entidades abertas ou fechadas de previdência complementar. Também se aplica à pessoas físicas que detenham investimentos superiores a R$ 10 milhões.
  • Investidor qualificado: pessoas naturais que tenham sido aprovadas em exames de qualificação técnica ou possuam certificações aprovadas pela CVM como requisitos para o registro de agentes autônomos de investimento, administradores de carteira, analistas e consultores de valores mobiliários, operando com seus próprios recursos, ou que possuam investimentos superiores a R$ 1 milhão.
  • Investidor de varejo: demais pessoas físicas, com investimentos financeiros menores do que R$ 1 milhão.

Os investidores qualificados e profissionais têm acesso a produtos exclusivos. Da mesma forma, o investidor de varejo também conta com o RLP como um serviço exclusivo.

É uma maneira de democratizar o acesso a investimentos rentáveis (apesar de serem investimentos de risco), facilitando a operação ao investidor.

Qual sua importância para o mercado

O RLP é um produto já bastante comum em países como Estados Unidos. Inclusive, está presente na New York Stock Exchange (NYSE), a principal bolsa de valores do mundo.

Dessa maneira, é possível entender que o produto tem certa relevância para o mercado. Não sem motivo, foi desenvolvido pelo mercado, junto com a B3, buscando regulamentar a operação no Brasil.

Como o RLP aumenta a liquidez e garante um preço melhor nas negociações, a expectativa é que este serviço possa auxiliar no desenvolvimento do mercado, aumentando o volume de operações.

Já que o investidor pode movimentar lotes maiores, comprando e vendendo pelo preço de primeiro nível do book, fica mais fácil para ele liquidar seus ativos de uma só vez.

Com isso, é eliminado o problema da execução de ordens em pequenos lotes, ficando reféns das quantidades e preços ofertados no book.

Porém, é importante lembrar que o RLP está em fase de testes no Brasil. O objetivo dessa fase de implantação é avaliar se as expectativas serão correspondidas, e entender se vale a pena ou não manter o produto disponível no mercado.

Como funciona o RLP para minicontratos

O RLP garante a negociação de grandes lotes, que superam a quantidade oferecida no book a um preço único.

No book de ofertas, você irá encontrar uma quantidade limitada de ativos a um certo preço.

Assim, por exemplo, se você deseja comprar 30 minicontratos de dólar a um determinado valor, mas no book só constam 10 disponíveis a este preço, você deverá comprar os outros 20 a preços superiores, certo?

No caso do RLP, esses outros 20 contratos são negociados diretamente com a corretora. Ou seja: é a corretora que irá vender esses contratos, no mesmo preço dos outros 10 que você comprou a um preço menor.

Dessa forma, você executa sua ordem, vendendo ou comprando a quantidade do book. O que faltar para completar a quantidade desejada, a corretora entra como contraparte, negociando com você.

Lembrando que a corretora deverá sempre cumprir o melhor preço do mercado, sendo igual, superior (para o caso de compra) ou inferior (para o caso de venda) aos preços das ofertas do book.

fluxo-rlp.jpg

Quais as vantagens e desvantagens da RLP

Como já vimos, o RLP tem como principal objetivo melhorar a liquidez dos minicontratos de índice e de dólar, permitindo a execução completa dos ativos, no momento da ordem à mercado.

Mas existem outras vantagens do uso do RLP? E quais suas desvantagens?

No momento de implantação do produto, foi realizada uma consulta pública, buscando argumentos favoráveis e contrários a este modelo de serviço.

Ainda hoje existem muitas pessoas que são contra o RLP, defendendo, por exemplo, que o modelo só favorece a corretora e não o investidor.

Vamos entender isso melhor, avaliando as principais vantagens e desvantagens do Retail Liquidity Provider.

Vantagens

As vantagens mais óbvias são, claro, o aumento da liquidez dos ativos e as melhores condições de preços. Mas podemos, ainda, citar:

  • Menor corretagem: algumas corretoras estão oferecendo taxa zero de corretagem para quem ativar o RLP.
  • Fortalecimento do mercado: com as vantagens de liquidez e melhores preços oferecidos, a expectativa é que as pessoas invistam mais nas modalidades de minicontratos, movimentando e fortalecendo o mercado.
  • Transparência: todas as movimentações realizadas pela corretora devem ser divulgadas mensalmente, garantindo transparência ao investidor. Além disso, o produto é fiscalizado pela CVM, comissão que regulamenta as atividades na Bolsa de Valores.

Desvantagens

Muitos se questionam sobre os ganhos da corretora. Afinal: se a corretora garante preços melhores ao investidor e ainda não cobra taxa de corretagem para as operações com RLP, é possível que ela esteja lucrando “por baixo dos panos”.

Alguns dos argumentos contrários ao RLP são:

  • Conflito de interesses: neste modelo, a corretora tem dois papéis. Ao mesmo tempo que ela sugere uma operação, indicando pontos de entrada e saída, por exemplo, ela também executa ordens contra seus clientes e contra suas próprias recomendações.
  • Maior risco: um dos pontos levantados foi que, com a prioridade da corretora na negociação com clientes de varejo, os investidores do book tendem a ficar mais especializados, aumentando o risco das operações (é mais fácil ganhar no pregão contra investidores menos qualificados ou com menos conhecimento).
  • Redução das negociações no mercado: junto ao aumento de risco, especula-se que os formadores de mercado diminuam o volume das negociações nesses ativos, ou que o spread (diferença de valor entre o preço para compra e o preço para a venda de um ativo) das operações pode aumentar, indo contra o objetivo do RLP.

É seguro investir com RLP?

RLP é um produto seguro, mas existem riscos envolvidos em função da modalidade dos investimentos negociados através desta oferta.

O RLP garante o melhor preço do mercado para as negociações de minicontratos de índice e de dólar. Então, portanto, é uma excelente opção para quem deseja comprar ou vender lotes maiores desses ativos.

Claro que o risco existe. Porém, ele está relacionado à modalidade do investimento, e não ao produto RLP em si.

Se você busca produtos de baixo risco, recomendamos os de renda fixa, como Tesouro Direto, CDB, LCI ou LCA.

A renda fixa oferece boa rentabilidade e menor risco, e é adequada para investidores de perfil conservador ou para quem ainda não possui uma reserva de emergência, por exemplo.

Porém, se você deseja aumentar sua rentabilidade aceitando algum risco, os minicontratos operados com RLP permitem, como vimos, maior liquidez e mais segurança quanto ao preço negociado.

Como utilizar o RLP

Para utilizar o RLP você precisa, antes de tudo, abrir sua conta na corretora.

Após preencher o formulário com as informações solicitadas, você deve aguardar a aprovação do seu cadastro. Você será notificado, via e-mail, quando sua conta for aberta. O procedimento abaixo pode variar de corretora para corretora, mas costuma ser semelhante.

Então, basta acessar a plataforma da corretora e seguir os seguintes passos:

  • Passo 1: ao logar em sua conta, clique no canto superior direito da tela “Contratações”.
  • Passo 2: em “Minhas contratações” clique em “Serviços Habilitados”.
  • Passo 3: Localize “RLP” e clique em “Habilitar”.
  • Passo 4: Na página seguinte, leia as orientações e o termo de adesão e, se estiver de acordo, clique em “Habilitar Agora”.

Importante: A habilitação do RLP em algumas corretoras pode ser cobrado, portanto, verifique os custos e taxas antes de aderir.

Conclusão

O RLP é um produto desenvolvimento junto com a B3, autorizado pela CVM.

O RLP é um produto desenvolvimento pelo mercado, em conjunto com a Bolsa de Valores de São Paulo, a B3. O objetivo é oferecer maior liquidez e melhores preços para investimentos em minicontratos de índice e de dólar.

Dessa forma, o investidor de varejo (pessoa física) consegue movimentar lotes maiores de minicontratos, sempre pelo preço de primeiro nível.

O recurso é opcional e deve ser habilitado junto à sua corretora. Na corretora, além da ativação que pode ser gratuita ou paga, você precisa estudar os custos de corretagem para as operações de mini-dólar e mini-índice.