Aulas

Guia Completo: Refinanciamento de Dívidas

Guia Completo: Refinanciamento de Dívidas

Quando as parcelas do empréstimo começam a pesar no bolso, o refinanciamento de dívida pode ser uma boa alternativa para reorganizar as finanças.

A solução possibilita melhorar as condições contratadas e até reduzir a taxa de juros, sendo uma alternativa de crédito saudável. A seguir, entenda como essa alternativa pode resolver os seus problemas financeiros.

O que é refinanciamento de dívida?

O refinanciamento nada mais é do que trocar um contrato de empréstimo antigo por um novo na mesma instituição financeira, sendo possível fazer alterações no prazo e valores contratados.

O refinanciamento pode ser a solução ideal para acabar com o mau endividamento. A ideia dessa prática é dar autonomia às pessoas para que seja possível sair das dívidas e voltar a ter controle sobre as próprias finanças.

Porém, ao optar por essa modalidade de crédito, o consumidor deve considerar que só vale a pena caso esteja indo para uma linha mais vantajosa do que a anterior, ou seja, com juros mais baixos e, consequentemente, parcelas menores que se adequem ao orçamento.

Como funciona o refinanciamento de dívida?

Enquanto no financiamento o consumidor contrata uma linha de crédito para um fim específico, como a compra de uma veículo ou imóvel, no refinanciamento o bem é utilizado como garantia.

Esse tipo de operação é bastante útil quando o orçamento sai do controle ou em caso de imprevistos.

Veja algumas vantagens do refinanciamento:

  • Menos burocracia: com o contrato de empréstimo vigente entre o cliente e o agente financeiro, o refinanciamento é um processo bem mais simples do que uma nova contratação.
  • Mais rapidez na liberação do crédito: da mesma forma, se aprovado, o total contratado é liberado de forma mais rápida, já que o agente financeiro possui todas as informações necessárias para fazer a concessão do crédito.
  • Possibilidade de alteração no valor: o refinanciamento também possibilita a contratação de um valor maior de crédito. Muitas vezes, além de reduzir o valor das parcelas é possível obter um troco, ou seja, um valor maior que o contrato anterior.
  • Flexibilidade de prazo: é possível negociar um prazo mais longo de pagamento, de forma a diluir mais o valor a ser pago ao longo do tempo.

Como refinanciar dívidas?

Existem diversos tipos de dívidas que podem ser refinanciadas e, por isso, vamos abordar cada uma delas por aqui e você pode aprender a que melhor se encaixa para o seu problema, caso tenha feito um refinanciamento de dívida ou está pensando em fazer.

Refinanciamento de veículos

O refinanciamento de veículos, também conhecido como empréstimo com garantia de veículo, é uma linha de crédito na qual o cliente coloca o próprio automóvel como garantia da operação. Ao colocar um bem alienado ao contrato, é possível conseguir melhores condições de pagamento, como taxas mais baixas e prazos mais longos para saldar os débitos.

O cliente precisa ter um carro em seu nome, de preferência quitado, e estar com a documentação regularizada. Caso haja um financiamento aberto, ou até pendências como IPVA atrasado, parte do valor solicitado será destinado ao pagamento das dívidas e o restante é encaminhado para a conta do solicitante.

Essa linha também é muito utilizada para outros fins, além do refinanciamento de dívidas. Como a utilização do dinheiro é livre e o cliente não precisa direcionar, muitos usam para investir no próprio negócio. Outras áreas de interesse são os estudos, gastos com saúde e aquisição de outros bens.

Como contratar o refinanciamento de veículos?

  1. Solicitação: você pode fazer a simulação e solicitação de crédito pela internet, preenchendo alguns dados, ou pelo telefone, de acordo com o agente financeiro escolhido.
  2. Análise de crédito: nessa etapa é avaliado se a quantia solicitada pode ser emprestada de acordo com a sua situação financeira, que deve estar dentro dos critérios da empresa para ser aprovada. Para isso, busca-se seu histórico de crédito e perfil de consumo.
  3. Análise jurídica e vistoria do veículo: os documentos de quem solicita passam por uma verificação e triagem. Paralelamente o bem é avaliado para então se tornar garantia do pagamento.
  4. Assinatura do contrato: depois de tudo aprovado, o documento de formalização do empréstimo é disponibilizado para assinatura. O contrato deve ser entregue assinado à instituição financeira.
  5. Liberação do recurso: a liberação do crédito pode variar de acordo com a política de crédito do agente financeiro. Os processos de envio da documentação, análise de crédito, análise jurídica e a vistoria são decisivos para o prazo.

Veja também essa aula abaixo, no YouTube: Como quitar dívidas e limpar o seu nome.

Refinanciamento de empréstimo consignado

O refinanciamento de empréstimo consignado funciona de forma diferente. A operação pode ser feita por aposentados, pensionistas, servidores públicos e trabalhadores de empresas privadas.

Ao refinanciar o contrato de empréstimo consignado, o saldo devedor atual é quitado e a diferença é liberada como novo saldo, em conta. Entenda no exemplo abaixo:

Suponhamos que você precise de 1 500 reais e o seu saldo devedor atual é de 3 500 reais em 12 parcelas restantes. Nesse caso, é necessário consultar a sua margem consignável e verificar a disponibilidade para contratar o novo valor.

Em caso afirmativo, o agente financeiro quita as parcelas restantes e disponibiliza um novo empréstimo no valor de 5 000 reais. Um novo contrato de empréstimo é firmado e o consumidor fica com a diferença de 1 500 reais, o chamado “troco”, que é liberado na conta indicada no prazo de 2 a 5 dias úteis, em média.

Ou seja, quanto mais parcelas tiverem sido pagas, maior o valor (limite) liberado. Os valores liberados sempre serão proporcionais ao que já foi pago do empréstimo atual.

Veja o vídeo abaixo para saber Como Sair do Empréstimo Consignado:

Portabilidade de crédito consignado

A portabilidade de crédito serve para ajudar quem quer trocar uma dívida cara por uma mais barata. Um exemplo é quando as taxas de juros do seu banco estão maiores do que a concorrência. Com essa opção, é possível transferir a dívida para outro banco e, dessa forma, reduzir a taxa de juros e até melhorar as condições de pagamento do seu empréstimo atual.

O que poucas pessoas sabem é que é possível solicitar a portabilidade a qualquer momento, mediante o cancelamento do contrato e quitação antecipada da dívida no banco original.

A portabilidade de crédito consignado pode ser solicitada por aposentados, pensionistas, funcionários públicos e privados. Para garantir o benefício é necessário que o novo agente financeiro escolhido possua convênio com a entidade pela qual você recebe o benefício ou salário.

Leia também: Diferança entre Refinanciamento e Portabilidade de Dívidas.

Refinanciamento de imóvel

O refinanciamento de imóvel, ou empréstimo com imóvel em garantia, é semelhante ao processo realizado com veículos. Por envolver uma propriedade, a análise de documentos é mais robusta e, consequentemente, leva um pouco mais de tempo para liberar o dinheiro.

Porém, como o processo envolve um bem sólido e durável, os valores liberados e prazos de pagamento são mais altos. Essa linha de crédito é destinada às pessoas que sejam proprietárias de um imóvel e pretendem colocá-lo em garantia para conseguir as melhores condições de pagamento.

O refinanciamento de imóvel é muito procurado para investir e aumentar os negócios, além de quitar as dívidas e regularizar a situação financeira.

Como contratar refinanciamento imobiliário?

  1. Solicitação: você pode fazer a simulação e solicitação de crédito pela internet, preenchendo alguns dados, ou pelo telefone, de acordo com o agente financeiro escolhido.
  2. Análise de crédito: nessa etapa é avaliado se a quantia solicitada pode ser emprestada de acordo com a sua situação financeira, que deve estar dentro dos critérios da empresa para ser aprovada. Para isso, busca-se seu histórico de crédito e perfil de consumo.
  3. Análise jurídica e avaliação do imóvel: os documentos de quem solicita passam por uma verificação e triagem. Paralelamente o bem é avaliado para então se tornar garantia do pagamento.
  4. Assinatura do contrato: depois de tudo aprovado, é liberado o documento de formalização do empréstimo para assinatura, chamado de CCB (Cédula de Crédito Bancário). O bem deve ser cadastrado no Cartório de Registro de Imóveis. 

Quando fazer um refinanciamento de dívida?

Sempre vale a pena trocar uma dívida cara por outra mais saudável, com as taxas menores. Se estiver enrolado com dívidas do cartão de crédito ou outra linha que possua juros abusivos, não hesite em buscar um empréstimo com juros baixos e prestações que caibam no bolso.

O refinanciamento de dívida também pode ser vantajoso caso a pessoa tenha feito um empréstimo com taxas prefixadas. Com as variações da taxa Selic, é possível que os juros fiquem menores do que o acordado nessa contratação. Nesse cenário, podem existir taxas prefixadas menores ou mesmo surgir o desejo de trocar por uma taxa pós-fixada, apostando no cenário econômico.